NOTÍCIAS

Conheça o reiki, prática oferecida de forma gratuita no HC-UFTM em Uberaba


Luz azul, verde e violeta. Música relaxante e tranquilidade. É a partir dessa composição de ambiente que são realizadas as sessões de reiki, uma prática da medicina tradicional oriental que busca alinhar os chacras. Em Uberaba, a terapia é oferecida de forma gratuita no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (HC-UFTM).

  • Acupuntura, yoga e outras terapias são oferecidas pelo HC-UFTM através do SUS em Uberaba

Nesta reportagem são respondidas as seguintes perguntas:

  1. O que é o reiki?
  2. Quais benefícios ele proporciona?
  3. Como funciona o reiki no HC-UFTM e como participar?

O reiki é uma modalidade terapêutica com origem na medicina tradicional oriental. Inicialmente, ela foi elaborada pelo monge japonês Mikao Usui na década de 1920.

A terapeuta voluntária de reiki no HC-UFTM, Elaine Aparecida de Moura Alves, explicou que a prática utiliza as mãos para promover a canalização da energia vital. O objetivo é encontrar o equilíbrio energético necessário ao bem-estar físico e mental do paciente.

Para isso, a terapeuta fecha as mãos em um formato que lembra uma concha e, então, trabalha para redirecionar a energia aos 7 chakras, definidos como centros energéticos do corpo físico. São eles:

  1. Coronário, situado no topo da cabeça;
  2. Frontal, entre as sobrancelhas;
  3. Laríngeo, na garganta;
  4. Cardíaco, no peito;
  5. Plexo solar, no abdômen;
  6. Esplênico; pelve;
  7. Básico; base da espinha dorsal.

Elaine explicou que o desalinhamento desses chakras podem provocar disfunções no corpo humano. Para o reiki, o equilíbrio é a manutenção de um mesmo nível de energia em cada chakra.

Já o alinhamento corresponde a um desbloqueio da conexão entre os mesmos, a partir da crença de que eles funcionam em conjunto, e não de forma isolada.

A terapeuta reforçou que apesar de, às vezes, ser confundido com outras práticas holísticas e até mesmo religiosas, o reiki tem fundamentações diferentes.

“Ele não envolve religião. É uma troca de energia. É como se a gente fosse um condutor. No momento em que estamos fazendo a imposição de mãos eu vou transferindo a minha energia para você”, definiu.
Sessão de reiki no HC-UFTM — Foto: Luana Cunha/HC-UFTM

Sessão de reiki no HC-UFTM — Foto: Luana Cunha/HC-UFTM

2. Quais benefícios ele proporciona?

Para a estudante e paciente do reiki Emilliana Nascimento Silva, de 17 anos, a prática resultou em mais qualidade de vida, de sono e autoconhecimento.

Ela contou que, antes da prática, costumava acordar às 4h e tinha dificuldades de voltar a dormir. Agora, com a terapia, isso mudou.

“Eu deito e descanso tranquila. Durmo melhor e não fico com sono durante o dia. Estou menos ansiosa. Quando ficava muito nervosa, às vezes, tinha falta de ar e tremor. Hoje consigo controlar mais”, disse.

Ela ainda contou que não conhecia o reiki, mas hoje, quando perde uma sessão, sente falta. “Às vezes eu passo um tempo sem fazer, por exemplo, quando estão de férias. Parece que até muda, sabe?”, afirmou.

A cirurgiã-dentista Daniela Aparecida Delfino Dalalilo, de 46 anos, é outra praticante do reiki. Assim como Emilliana, ela contou ter começado a terapia para auxiliar no controle de sintomas de insônia e ansiedade.

Ela reforçou que acredita que o processo de cura depende de cada pessoa e que a prática, integrativa e complementar, é mais uma opção para contribuir com o tratamento convencional. Após ficar um tempo sem acesso ao reiki, devido à pandemia, ela disse ter notado a diferença.

“Antes de começar eu acordava, às vezes, entre 4h ou 4h30 e já começar a pensar no outro dia, o que eu tinha para fazer. Eu já estava dormindo bem melhor, aí [com a interrupção] voltou um pouquinho”, relembrou.

Para finalizar, Daniela aconselhou a população a se comprometer com as práticas integrativas e complementares, e defendeu: “Ter essas alternativas como tratamento é essencial e seria muito importante outras pessoas conhecerem”.

3. Como funciona o reiki no HC-UFTM?

O reiki é oferecido nas segundas-feiras à tarde, no Núcleo de Práticas Integrativas e Complementares (Nupic), que funciona na Unidade Dona Aparecida do Pênfigo — parte integrante do complexo hospitalar — localizada na Rua João Alfredo, nº 437, no Bairro Abadia.

Atualmente, cinco pacientes praticam a terapia. Segundo o HC-UFTM, para cada um é previsto um ciclo com 10 sessões, com duração de 40 minutos à 1h.

Conforme o Nupic, os principais motivos que levam os usuários a buscar essa terapia, no âmbito local, são a insônia, depressão, enxaqueca, ansiedade e síndrome do pânico.

Tanto o oferecimento do reiki, como de outras práticas integrativas e complementares no Sistema Único de Saúde (SUS), é regulamentado por uma política nacional específica oficializada em 2006 e atualizada em 2017 e 2018.

Cromoterapia, outra práticas integrativa e complementar disponível no HC-UFTM — Foto: Luana Cunha/HC-UFTM

Cromoterapia, outra práticas integrativa e complementar disponível no HC-UFTM — Foto: Luana Cunha/HC-UFTM

Na data, foram reconhecidas 29 práticas consideradas alternativas pela Organização Mundial da Saúde. O HC-UFTM reforçou que tais práticas, no âmbito do SUS, não são substitutivas da medicina convencional.

Para ter acesso aos serviços, é preciso de um encaminhamento ambulatorial da unidade ou do SUS.

VÍDEOS: veja tudo sobre o Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas



Fonte: G1


16/04/2022 – Paranaíba e Máximus FM

COMPARTILHE:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on skype
Skype

Mais Notícias de Rio Paranaíba:

Mais Notícias da Região:

SEGUE A @PARANAIBAMAXIMUS

Paranbaíba FM
Máximus FM
Contato Comercial
QUAL RÁDIO QUER OUVIR?