NOTÍCIAS

Entenda porque moradores de Uberlândia sentiram reflexos do terremoto na Argentina


O terremoto de magnitude 6,8 que atingiu o norte da Argentina, na noite de terça-feira (10), teve reflexos em diversas partes do Brasil, incluindo Uberlândia. Procurado pela TV Integração, o sismólogo do Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP), Bruno Collaço, explicou que uma série de fatores contribuiu para que o evento registrado no país vizinho também fosse sentido por aqui.

O Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) também emitiu uma nota técnica para explicar detalhes sobre o fenômeno e tranquilizar os moradores. Confira o texto na íntegra mais abaixo nesta matéria.

Bruno Collaço, sismólogo do Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo — Foto: Reprodução/TV Integração

Bruno Collaço, sismólogo do Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo — Foto: Reprodução/TV Integração

  • LEIA MAIS: Moradores de prédio em Uberlândia relatam tremores após terremoto na Argentina

Por que o terremoto foi sentido em Uberlândia?

Segundo Collaço, é comum o registro de pequenos tremores no país. Porém, no caso do sismo registrado na Argentina ontem, a intensidade alta fez com que reflexos do terremoto também fossem sentidos em parte do estado de São Paulo e em Uberlândia.

“A magnitude foi alta, e aconteceu em um horário mais tranquilo. Como era noite, as pessoas estavam em casa e não havia tanto trânsito ou barulhos da cidade, o que ajuda as pessoas a sentirem os tremores”, explicou.

Além disso, a maior parte dos moradores que afirmaram terem presenciado os tremores em Uberlândia estavam em um prédio, o que, conforme o sismólogo, também influencia se o sismo será sentido com mais força.

“A parte oeste de Minas Gerais, onde está o Triângulo Mineiro, fica sobre uma bacia sedimentar. Esse tipo de solo faz com que as ondas sísmicas sejam amplificadas, especialmente, nos lugares mais altos”, complementa.

Apesar do susto, Collaço tranquiliza os moradores e explica que tremores como esse não representam um grande risco para a população.

“Mesmo com o desconforto, as pessoas podem ficar tranquilas, porque dificilmente fenômenos como esse causam grandes danos”, orienta o sismólogo.
  • LEIA TAMBÉM: Internautas relatam sentir tremores de terra em SP após terremoto na Argentina
Sismólogo explica tremor de terra sentido em Uberlândia

Sismólogo explica tremor de terra sentido em Uberlândia

Nesta quarta-feira (11), o Instituto de Geografia da UFU emitiu uma nota técnica comentando o registro do terremoto na cidade. O documento, assinado pelo professor Paulo Cézar Mendes, confirma que os tremores sentidos no município são reflexos do sismo na Argentina e que não há indícios de que tenha sido um fenômeno geológico local. Confira a nota na íntegra a seguir:

“Abalos sísmicos de grande intensidade no Brasil é um fenômeno raro, pelo fato do território brasileiro estar localizado no centro de uma placa tectônica. Por outro lado, os tremores de terra de baixa intensidade no país causados pelo contínuo processo de acomodação das placas tectônicas, apesar de frequentes, geralmente são imperceptíveis pela população.

No Brasil, tremores de terra passíveis de percepção pelos moradores, resumidamente tem sua gênese relacionada a acomodação rochosa no subsolo ou a reflexos de abalos sísmicos ocorridos em regiões longínquas, até mesmo em outros países.

Na noite de terça-feira (10/05/2021), um terremoto de magnitude 6,8 na Escala Richter atingiu a região de Jujuy, na Argentina, em uma área próxima à fronteira do país com o Chile e a Bolívia, segundo dados do Centro Sismológico Mediterrâneo Europeu (EMSC). De acordo com o mesmo, seu hipocentro ocorreu a 176 km da superfície da Terra.

Esse tremor, devido a sua magnitude, pôde ser sentido em uma série de cidades chilenas, como Antofagasta e Valparaíso. No Brasil, o mesmo produziu pequenos abalos que foram registrados em cidades do interior do Estado de São Paulo e Minas Gerais. Esses abalos secundários são conhecidos como “reflexos’ gerados pelas pelo avanço das ondas sísmicas desencadeadas pela energia liberada durante acomodação abrupta do substrato rochoso no hipocentro do terremoto.

Nessas premissas, o tremor de terra, sentido principalmente por moradores de edifícios do bairro Santa Mônica na noite dessa terça-feira (11/05), considerando suas características e coincidência de horário com o tremor ocorrido na Argentina, infere-se que o mesmo se trata de um “reflexo” do tremor registrado em Jujuy, não havendo, até o presente momento, nenhum outro indicativo de que o mesmo é oriundo de algum fenômeno geológico local.

Cabe destacar ainda que, apesar do Brasil estar localizado em uma das áreas mais estáveis em termos geológicos do mundo, tremores de terra de pequena intensidade em pontos localizados são perfeitamente esperados. Entre anos de Entre 1900 e 2020, o Rede Sismografica Brasileira – RSBR registrou 2959 tremores de terra no Brasil, só em 2020 foram registrados 248 abalos. Apesar da grande quantidade de registros, a grande maioria não indicou situação de risco para população”.

Prédio no qual moradores sentiram tremor em Uberlândia — Foto: Reprodução/TV Integração

Prédio no qual moradores sentiram tremor em Uberlândia — Foto: Reprodução/TV Integração

Os moradores de um prédio no Bairro Santa Mônica relataram terem sentido tremores de terra pouco depois do terremoto na Argentina. Devido ao susto, equipes da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros foram até a região em que os moradores relataram os tremores. Segundo os órgãos, o prédio não tem problemas estruturais.

De acordo com quem estava no prédio, o tremor durou pouco, mas o suficiente para assustar todo mundo, entre eles, a moradora Ana Carolina Silveira Gonçalves.

“O prédio começou a tremer, a balançar. Meu copo começou a tremer, que estava em cima da mesa. Eu chamei meu marido, a gente saiu correndo do prédio”, disse.

“Falei com meu irmão e ele avisou que os outros moradores também tinham sentido o tremor do prédio. Todos ficaram inseguros, com muito medo, como se fosse um terremoto mesmo e aí mandaram mensagem para não entrar no prédio, para não subir”, completou.
Moradores desceram do prédio após sentirem tremor em Uberlândia — Foto: Reprodução/TV Integração

Moradores desceram do prédio após sentirem tremor em Uberlândia — Foto: Reprodução/TV Integração

Após terremoto de magnitude de 6,8 na Argentina, moradores relatam reflexos em Uberlândia

Após terremoto de magnitude de 6,8 na Argentina, moradores relatam reflexos em Uberlândia

Por volta das 20h, um terremoto de forte intensidade, foi registrado na Argentina a uma profundidade de 176 quilômetros na região de Jujuy, em área próxima à fronteira com o Chile e a Bolívia. Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), o tremor pôde ser sentido em Antofagasta (Chile), Valparaíso (Chile), e no Brasil.

Terremoto de magnitude 6,8 atingiu o norte da Argentina na terça (10) — Foto: Reprodução

Terremoto de magnitude 6,8 atingiu o norte da Argentina na terça (10) — Foto: Reprodução

VÍDEOS: veja tudo sobre o Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas



Fonte: G1


11/05/2022 – Paranaíba e Máximus FM

COMPARTILHE:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on skype
Skype

Mais Notícias de Rio Paranaíba:

Mais Notícias da Região:

SEGUE A @PARANAIBAMAXIMUS

Paranbaíba FM
Máximus FM
Contato Comercial
QUAL RÁDIO QUER OUVIR?