NOTÍCIAS

Operação 'Libertas' que investiga trabalho análogo à escravidão de travestis e transexuais segue com mais oitivas em Uberlândia


Mais 10 travestis e transexuais são ouvidas nesta quarta-feira (16) durante os desdobramentos da 5ª fase da Operação “Libertas”. Nesta etapa, a ação apura a situação de trabalho análogo à escravidão das vítimas na cidade. Além das possíveis vítimas, Lamar Bionda, suspeita de fazer parte da organização criminosa investigada, também será ouvida.

Na terça-feira (15), 10 outras travestis e transexuais foram ouvidas. O trabalho é realizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em conjunto com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) com apoio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) e das polícias Militar, Civil e Federal.

Em relação à Lamar, ela deve ser ouvida durante esta tarde. O g1 procurou a advogada Daniela Ferreira, que defenda a investigada, que confirmou que a oitiva será realizada no MPT e ainda completou dizendo que:

“Trabalharemos nos autos do processo e Lamar não tem nenhuma ligação com Pâmela ou qualquer outra pessoa”.

Em novembro de 2021, o Gaeco deu início à Operação”Libertas”, que visava combater uma organização criminosa encabeçada pela ex-vereadora Pâmela Volp e a filha, Paula Volp, presas desde o início da operação.

A ação ocorrida na terça-feira se tratou de uma medida protetiva, e não punitiva, com o intuito de investigar se travestis e transexuais são coagidas a trabalharem em Uberlândia e em qual situação elas vivem.

Operação entre MPT e outros órgãos é realizada em Uberlândia — Foto: Arcênio Correa/g1

Operação entre MPT e outros órgãos é realizada em Uberlândia — Foto: Arcênio Correa/g1

Segundo o procurador do Trabalho, Paulo Gonçalves Veloso, o foco desta fase foi a proteção das travestis e transexuais para que sejam instruídas e façam parte do processo que vai pedir o pagamento de direito trabalhistas e indenização.

“O foco foi o cumprimento da legislação trabalhista. Foi a verificação e inspeção de alojamentos e das condições de trabalho. Estivemos em alguns locais que são mantidos por pessoas que já são investigadas na operação”, afirmou.

Ainda durante a terça-feira, 9 endereços que serviam como pensões foram inspecionadas pela força-tarefa. As residências ficam nos bairros Santa Mônica, Tibery, Centro, Nova Uberlândia, Umuarama e Minas Gerais. Quatro destes locais, localizados nos 2 últimos bairros, estão no nome da ex-vereadora Pâmela Volp.

De acordo com o promotor do Gaeco, Thiago Ferraz, nos endereços travestis e transexuais viviam em condições degradantes, como falta de limpeza.

“Na entrada encontramos uma máquina de cartão. O local cheirava a urina de animais e elas tinham que viver com um cachorro doente, sem tratamento. A geladeira da dona era separada e estava trancada, enquanto que a delas quase não tinha alimentos”, disse o promotor.

Ainda conforme Ferraz, mesmo com pessoas investigadas presas, a operação de exploração sexual continua. Segundo o promotor, muitas vítimas já deixaram a cidade, mas é importante que elas procurem o Gaeco ou o Ministério Público do Trabalho para que novos depoimentos sejam colhidos e serem anexados ao processo.

O contato com o Gaeco pode ser feito pelo telefone (34) 9 8444-2514. Já com o MPT pode ser feito pelo número (34) 3236-9460 ou no endereço Avenida Floriano Peixoto, 3575, Bairro Brasil, em Uberlândia.

Ex-vereadora Pâmela Volp — Foto: Aline Rezende/Câmara de Uberlândia/Divulgação

Ex-vereadora Pâmela Volp — Foto: Aline Rezende/Câmara de Uberlândia/Divulgação

No dia 8 de novembro de 2021, a exploração sexual de travestis e transexuais foi alvo de investigação na cidade. Na época, o Gaeco deflagrou a 1ª fase da Operação “Libertas”, que visava combater uma organização criminosa e, entre os alvos estavam a ex-vereadora Pâmela Volp, a filha, Paula Volp e Lamar Bionda.

Posteriormente, outras três fases da ação foram realizadas. Uma delas resultou na prisão de Paula Coco. E entre os mandados de busca e apreensão, um dos locais foi um mausoléu da família de Pâmela Volp na cidade de Tupaciguara.

Durante a investigação, Pâmela e a filha, Paula Volp, foram denunciadas pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), na mesma operação, por uma tentativa de latrocínio ocorrida em 2018 contra uma travesti, em Uberlândia.

Na 5ª fase da operação, promotores, procuradores e auditores fiscais do trabalho realizaram inspeção da possibilidade de trabalho análogo ao escravo, tráfico de pessoas e exploração sexual. Dez endereços foram visitados. Das 22 pessoas, 10 foram ouvidas no mesmo dia.

Ainda segundo o MPMG, há relatos de que o esquema criminoso tenha iniciado em 1992 e, assim, já dura 30 anos.

OPERAÇÃO ‘LIBERTAS: GAECO LIGA EX-VEREADORA DE UBERLÂNDIA PAMELA VOLP A ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

VÍDEOS: veja tudo sobre o Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas



Fonte: G1


16/02/2022 – Paranaíba e Máximus FM

COMPARTILHE:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on skype
Skype

Mais Notícias de Rio Paranaíba:

Mais Notícias da Região:

SEGUE A @PARANAIBAMAXIMUS

Paranbaíba FM
Máximus FM
Contato Comercial
QUAL RÁDIO QUER OUVIR?